06/04/12

ABC de Roma: Construções e a cidade




Reprodução das Termas do Imperador Caracalla


Olá! Que prazer rever você em nosso espaço. Bom como você já percebeu nesses dias que se passaram nós já estamos tratando da Queda do Império Romano do Ocidente. Então nessas últimas postagens a respeito de Roma, iremos nos despedir do assunto... bom não é bem uma despedida, afinal agora que você começou a ver Feudalismo, acredito eu que começa a entender como era importante saber sobre os romanos não é mesmo ?
Pensando nisso eu preparei um estudo aqui para o nosso  Blog a respeito de outro aspecto da sociedade romana e que esta bem próxima de nós também: a vida em cidade. A ideia é que você aluno(a) tenha a dimensão do que foi a mudança da vida nos grandes centros para o campo no processo de ruralização que vai se iniciar com o abandono das cidades por causa das invasões dos povos bárbaros (fica aqui o lembrete para que toda vez que esta palavra apareça - "bárbaro" - você tenha claro em sua mente, a discussão que fizemos em torno de seu significado para os romanos).
Uma primeira ideia que eu quero discutir com vocês é uma invenção que os romanos vão usar e que vai ajudar tanto a forma de construção, que até os dias de hoje ainda a utilizamos: o concreto



Concreto é uma espécie de mistura de rochas, que quando endurecido se reforça numa rocha ainda mais sólida. Você faz isso através da mistura de cal ,argila, areia, cascalho e água. A cal é, basicamente, as cinzas de calcário, é o que você obtém quando queima calcário ou mármore. Cal, argila, água misturada fazem o cimento, e então se você misturar o cimento com areia e cascalho obtém o concreto.
As pessoas têm utilizado o concreto por um longo tempo, o uso mais antigo que conhecemos é o vestígio de um piso duro para uma casa no leste da Europa (atual Sérvia), feito por volta de 5600 a.C. Os egípcios, mesopotâmios, chineses e gregos sabiam como fazer concreto, mas eles não chegaram a usá-lo muito. Os romanos começaram a usar um monte de concreto em suas construções a partir do imperador Nero, 60 d.C., e eles usaram-lo mais e mais a partir de então, geralmente como revestimento para os tijolos das construções.
Após a Queda de Roma, nenhum Império do Oriente, nem os reinos europeus que surgiram voltaram a usar tanto concreto quanto os romanos, pois preferiram construir com pedra. Só em períodos mais recentes de nosso História (que estudaremos ainda este ano), o concreto voltou a figurar como um dos requisitos básicos de uma construção.
Uma das últimas grandes construções romanas a utilizar o concreto (no revestimento dos tijolos) é a Basílica de Maxentius e Constantino (se lembra dele ? falamos em aula já bastante a seu respeito). Veja as imagens logo abaixo:







Além do concreto para o revestimento os romanos também usavam pedras. O mármore e o travertino (ou tufo calcário). Onde fosse muito caro usar mármore seria usado o travertino. Um dos melhores exemplos do uso do travertino é o Colisseu.




Na imagem o travertino é a rocha branca  entre os tijolos do Colisseu



A maioria das pessoas  no Império Romano viviam com sua família inteira em um quarto numa espécie de apartamento. Estes foram construídos, como muitos prédios de apartamentos baratos populares, cerca de dois ou três lados, mais um pátio, e com um ou dois andares de altura. Os outros lados do pátio tinha muros altos para impedir a entrada de assaltantes. Hoje nós usamos esses pátios para estacionamento, mas povo romano e em geral foram utilizados como o espaço para cozinhar, e para as crianças brincarem. 
Em geral foram construídos a partir de tijolos de barro, com telhados planos. Pessoas ainda mais pobres que viviam nas cidades romanas, por vezes, tinham este tipo de apartamento ou ainda uma espécie de "barraco" ou "puxadinho" de madeira ou tijolos mas sem o pátio. Este tipo de construção recebia o nome de "insulae".






Ainda existe aqui aquela divisão que deixamos bem clara entre os patrícios e os plebeus. Isso ficará ainda mais claro na continuação de nosso texto. Observe como as casas e espaços reservados aos patrícios são luxuosos e fazem da vida uma verdadeira festa dos sentidos humanos.
Na média comum, uma casa de uma família rica romana (o "domus") teria as seguintes divisões:


Vestibulum: Entrada da casa
Atrium: *(vamos falar muito desta parte logo abaixo na postagem...continue lendo)
Tenda: Espaço coberto para tomar sol
Cisterna: fonte de água dentro das casas para banhos
Tablinum: Sala de visitas
Cubicula: Quarto
Peristilo: Jardim interno


E que tal uma visita virtual a este espaço do passado ? Topa ? Bom precisa que o seu computador tenha uma conexão bem rápida de internet e aquele nosso programa para imagens já conhecido nosso aqui do blog, o "Flashplayer". Se estiver tudo "ok", acesse clicando no link abaixo, então:





Bom, se você não tem uma conexão tão boa, não se preocupe. Assista logo abaixo a um video que recria o mesmo gênero de reprodução de uma residência romana. Confira:




Incrível não é mesmo ? A tecnologia a serviço do aprendizado é realmente uma ferramenta muito útil. 
Que tal explorar um pouco mais a respeito dessa vida luxuosa dos romanos na cidade ? Vamos lá então...




Casa Romana: Lectus

Alma-Tadema - A Roman Art Lover II
Cena da roma antiga: acomodados em lectus, de costas para o peristylium, cidadãos romanos admiram uma escultura em uma típica casa romana. (A Roman Art Lover II, by Alma-Tadema)

Os romanos ricos se reclinavam em suntuosos divãs em torno de uma mesa, para fazer suas refeições. Este tipo de cadeira ou sofá é chamado de lectus. O lectus, foi talvez o ítem mais importante do mobiliário romano, era usado para dormir, sentar, relaxar e comer.

Original Lectus (leito para a refeição): feito de madeira e ornamentos de bronze, século II

O lectus tinha uma armação de madeira com tiras de couro que mantinha um colchão recheado com palha ou lã, ou penas. Em uma extremidade do lectus sempre havia um braço, embora muitos desses sofás também tivessem encosto e dois braços. O lectus se tornou ainda mais confortável com a adição de travesseiros, almofadas e colchas confeccionadas com os melhores tecidos.
Closeup of Roman dining couch (lectus)
Detalhe: Lectus, o assento reclinado usado pelos antigos romanos.
As pernas do lectus eram muitas vezes decoradas com metais preciosos ou feitas de marfim. O costume de reclinar-se na hora da refeição foi introduzido pelos gregos. No ínicio era permitido apenas aos homens o ato de reclinar-se ao comer, depois foi permitido também as mulheres, (das mulheres se esperava algum recato: sentar-se no sofá para comer, ao invés de adotar uma posição reclinada).
O Lectus servia para diversas funções e constituem a base do estilo romano no mobiliário.
Os romanos pobres ou escravos, comiam em mesas e cadeiras normais.
Principais denominações:
Lectus triclinarius: Leitos para refeição no Triclinium 
Lectus cubicularius: Leitos para dormir.
Lectus genialis: Leitos para núpcias
Lectus lucubratorius: Leitos para estudar.

As Rosas de Heliogabalus. A pintura é inspirada em um episódio da vida do imperador romano Heliogabalus e descrito na História Augusta: Durante a refeição, ele fez cair sobre seus convidados, inundações de pétalas de rosa, e alguns morreram afixiados, soterrados pelas flores. No primeiro plano da pintura, o destaque são os convidados reclinados, cobertos com pétalas. Ao fundo, Heliogabalus visível com um manto e uma coroa de ouro, junto com sua mãe Julia Soemia. Atrás deles, um tocador de flauta (tíbia) e uma estátua de Dionísio. Nome original, The Roses of Heliogabalus, pintado em 1888 por Lawrence Alma-Tadema.

Casa Romana: Triclinium



O Triclinium era a sala de jantar formal na casa romana.


Triclinium (Reproduction): Triclinium era uma sala reservada às refeições, com três leitos dispostos à volta de uma mesa; em cada leito cabiam três pessoas.

Os Romanos, que antes comiam sentados, passam, por influência grega, a tomar as suas refeições reclinados (deitados).
O jantar era um ritual na vida dos antigos romanos e durava desde o fim da tarde até a madrugada.
Para mostrar a importância do espaço, o triclinium era decorado com mosaico ou afrescos nas paredes. Deuses e mitos eram muito comuns na decoração dos cômodos.
Durante o banquete, canções e danças eram usados para entreter os convidados.



Triclinium (Reprodução)

Triclinium Romano (Reprodução)

A decoração era luxuosa e, por vezes, exagerada. ( em algumas casas ricas existiam mecanismos no teto que derramavam sobre os convivas flores e perfumes.)

The Roses of Heliogabalus, As Rosas de Heliogabalus (1888) Lawrence Alma-Tadema
A pintura é inspirada em um episódio da vida do imperador romano Heliogabalus e descrito na Historia Augusta. Heliogabalus convidou alguns de seus conhecidos ao jantar. Antes preparou um teto falso lotado com pétalas de rosas. Durante o jantar, ele fez cair sobre seus convidados, inundações de pétalas, alguns deles morreram de asfixia. No primeiro plano da pintura, o destaque são os convidados reclinados, cobertos com pétalas. Ao fundo, Heliogabalus, visível com um manto e uma coroa de ouro, junto com sua mãe Julia Soemia. Atrás deles está um tocador de flauta (tíbia) e uma estátua de Dionísio.


Em muitas casas podem existir vários triclinium (áreas de refeições) permitindo que a família escolha o quarto em que se deseja jantar.



Dinner by Alma-Tadema

Between Hope and Fear by Alma-Tadema

Ruínas do Triclinium na Casa Julia Felix, Pompéia, Itália

Casa Romana: Peristylium



Peristylium, Casa della Venere in Conchiglia em Pompéia, Itália


O Peristylium era um pátio aberto, com um jardim ao centro incorporado à própria casa. Este jardim interno era rodeado por colunas que sustentavam o telhado e suas paredes interiores eram muitas vezes cobertas por pinturas ou mosaicos muito elaborados.


Ruínas do Peristylium: Casa dei Vettii em Pompéia, Itália.

Ruínas do Peristylium (jardim).

Esta réplica do Peristylium mostra como agradável poderia ser o ambiente nesta parte da casa.

No Peristylium eram cultivados ervas, arbustos e flores, especialmente rosas, violetas e lírios. Era decorado com pequenas fontes, pequenas esculturas, bancos, e até viveiros de peixes.


Ruínas de Pompéia: Peristylium na Casa della Piccola Fontana.

Detalhe: Ruínas do Peristylium na Casa della Piccola Fontana em Pompéia, Itália.

Peristylium: Plantas exóticas e belas flores cresciam protegidas do vento pelas paredes. (Ruínas do Peristylium na Casa do Fauno em Pompéia, Itália.)

Ruínas do Peristylium na Casa Citarista: Grupo de pequenas esculturas de bronze.

Como os romanos apreciavam a vida ao ar livre e as belezas da botânica, o Peristylium logo se tornou o centro da vida doméstica romana nas casas elegantes e ricas, e o Atrium (a entrada da casa) ficou restrito à funções sociais mais formais e políticas.


De origem na arquitetura grega, o Peristylium foi reproduzido nas casas romanas, se tornando uma importante parte da residência. (Pintura de Alma-Tadema)

Em dias ensolarados, o Peristylium era usado como área de jantar e lazer. (pintura Alma-Tadema )

A nossa reprodução até aqui tem se baseado em vestígios. Mas de onde surgem estes ecos do passado ?
A grande maioria do conhecimento que temos a respeito da moradia romana, vem do que foi preservado da cidade de Pompéia, soterrada pela lava e cinzas vulcânicas. Veja o exemplo a seguir:


Pompéia, Casa de Ottavio Quartione


A Casa de Ottavio Quartione (ou Octavius Quartius), era um setor residencial de luxo e possuia o maior e mais bem elaborado jardim de Pompéia.



Ruínas da Casa di Ottavio Quartione: A vista do jardim oferecia uma fonte de água exclusiva em forma de T, e suas bordas eram cobertas de estátuas


Pórtico em ruínas no Peristylium na Casa di Ottavio Quartione: No canal os arqueólogos encontraram uma Ísis em mármore, estátuetas de vários deuses egípcios em argila terracota vitrificada. Todos estes instrumentos foram provavelmente usados em cerimônias e rituais .

Reprodução da Casa di Ottavio Quartione: O jardim não precisava temer comparação com os palácios de Roma.

Ruínas: Parte do sistema de água era fornecida não apenas pela fonte na parte superior do canal, mas também por uma ligação à rede de água pública. Isso porque depois do grande terremoto, a rede de abastecimento foi destruída. No entanto, este jardim estava em obras durante a catástrofe do Vesúvio, pois foram encontradas peças e tubos novos ainda não instalados.

Reprodução do Jardim da Casa di Ottavio Quartione em Pompéia. Esta reprodução é um exemplo de como o Peristylium romano poderia ser elaborado e luxuoso, com fontes decoradas que rodeavam o jardim.

Ruínasdo Peristylium na Casa de Octavius Quartio: Fontes que se estendiam por todo jardim.



Como pode se notar a casa romana era extremamente rica em detalhes e cores. Mas e o espaço público de ricos patrícios ?
Bom, os romanos como a animação mostrou e as imagens apontam, davam um grande valor a possibilidade de ter em suas casas, água limpa e corrente. A melhor evidência deste conceito no espaço público são as casas de banho, espaços para relaxamento e política também...


Casa Romana: Balneum

The Baths of Caracalla, pintado por Alma-Tadema. O magnífico Termas de Caracalla, citada como uma das sete maravilhas de Roma, famosa pela riqueza de sua decoração e pelas obras que continha. Forrado de mármore e imenso como um palácio, podia acomodar mais de 1.500 pessoas. Em suas dependências haviam bibliotecas, pátios, piscinas e instalações desportivas. 

Casa Romana: Atrium


Atrium (ou Átrio) era a entrada principal da casa romana. Era em torno do Atrium, que se desenvolvia os outros cômodos da casa. O Atrium fornecia a luz necessária às divisões que o circundavam; nomeadamente: o Triclinium; utilizado para as refeições. O Tablinum; escritório do dono da casa, utilizado como sala de reunião com pessoas que não fossem da família. O Cubiculum; quartos de dormir, e, apenas nas casas mais ricas: O Balneum; verdadeiros termas romanos em escala menor. Muitas casas romanas ainda tinham um segundo Peristylium, o jardim.

As casas romanas possuíam duas utilizações distintas ao longo do ano. O inverno era vivido no Atrium, com o sol a penetrar pelo Compluvium, e o Verão era aproveitado à sombra fresca da galeria do Peristylium.

Réplica de um Atrium romano clássico: O Compluvium inundava a casa de luz.

No verão, o Atrium exercia uma função mais formal na casa romana, ficando as atividades de lazer restritas ao Peristylium. O lazer no Atrium acontecia apenas no inverno, no caso desta pintura de Gustave Boulange, um concerto de flautas. (The Flute Player, 1861.)

O Atrium era construído com todo o esplendor e magnificência que a riqueza do dono permitia. As características mais evidentes do Atrium eram o Compluvium e o Impluvium.



No Atrium exemplos de Compluvium e Impluvium

Impluvium é uma rasa bacia de mármore, ricamente esculpida e decorada com figuras em relevo. Era destinado à coleta da chuva que caia pelo Compluvium. As colunas de suporte eram feitas de mármore ou cara madeira. Entre esses pilares, ao longo das paredes, estátuas e outras obras eram colocadas. Junto ao impluvium, quase sempre havia um chafariz de mármore.
Compluvium era uma pequena abertura no telhado, feito para permitir a entrada de luz natural em todos os cômodos da casa.


A decoração do Atrium nas casas da roma antiga impressionava pela riqueza de mosaicos e afrescos. (Reprodução digital da Casa di Paquius Proculus em Pompéia, Itália)

Ruínas do Atrium na Casa dei Cei em Pompéia, Itália

Ruínas do Atrium na Casa do Fauno em Pompéia, Itália

Ilustração hipotética do Atrium na Casa del Fauno (The House of the Faun) em Pompéia, Itália.

Impluvium era uma piscina rasa afundada no chão para coletar a água da chuva. Alguns exemplos em ruínas estão muito bem decorados. A abertura no teto acima do impluvium, chamado de Compluvium e suas maneiras de se apoiar, é que se percebe os estilos diferentes de Atrium.


Ruínas de um Impluvium: Sempre em mármore trabalhado, coletava a água pluvial proveniente do Compluvium

Na pintura neoclássica The Discourse, Alma-Tadema recria em detalhes o mármore e os relevos do Impluvium.
Denominações de Atrium 

Tuscanium Atrium: Este tipo não tinha colunas. O peso do teto era sustentado por vigas, embora caro para construir, este parece ter sido o tipo mais generalizado de Atrium na casa romana.
Tetrastylum Atrium: Este tipo tinha uma coluna em cada canto do impluvium.
Corinthium Atrium: Este tipo era semelhante ao tetrastylum mas tinha uma maior abertura no teto e um maior número de colunas.
Displuviatum Atrium: De telhado inclinado, não conseguia conter grandes chuvas, que fugiam para outros pontos que não dentro do impluvium.
Testudinatum Atrium: Este Atrium nao tinha nenhuma abertura em todo o teto e foi visto apenas em casas pequenas e de pouca importância.



Réplica: Atrium da Casa dei Dioscuri em Pompéia, Itália, fielmente recriada em Pompejanum, Alemanha.

Réplica: Atrium da Casa dei Dioscuri em Pompéia, Itália, fielmente recriada em Pompejanum, Alemanha.
O Atrium era um cômodo ricamente decorado, no chão se assentavam mosaicos elaborados e nas paredes, pinturas e afrescos. Quase sempre, abrigavam um Lararium; pequeno “oratório” para os deuses do lar. Por vezes, era também no Atrium que se expunha o busto do dono da casa.
“No Atrium, o cidadão recebia seus clientes.
No Atrium, parabenizava-se o marido por seu casamento.
No Atrium, o corpo do cidadão se despedia do mundo, quando o orgulho da vida acabava”

Um elaborado Impluvium: Relevos em mármores e estátuas mitólogicas. (At Maecenas Reception, pintado por Stepan Bakalovich, 1890.)

A pintura neoclássica recriava artisticamente a atmosfera da antiguidade. (A Pompeian interior, pintado por Luigi Bazzani, 1882.)


Percebeu que a água é simbolo de status entre os romanos na cidade ? Vamos explorar então um pouco mais a respeito.


Thermae: Os Banhos na Roma Antiga



Os romanos frenquentavam diariamente o Thermae e permaneciam nas suas dependências por várias horas. Ricos romanos iam acompanhados por um ou mais escravos.

A palavra em latim Thermae é o termo usado pelos antigos romanos para designar os locais destinados aos banhos públicos. Os banhos públicos tinham diversas finalidades, entre as quais a higiene corporal, a terapia pela água com propriedades medicinais e recreação.
Embora o uso de banhos públicos tenha sido iniciado pelos Caldeus, algumas das primeiras descrições do hábito de frequentar termas no mundo ocidental vieram da Grécia.
Os Gregos utilizavam pequenas banheiras e lavatórios, para higiene pessoal. Alguns exemplos eram os banhos no complexo do palácio de Cnossos, em Creta, e as banheiros de luxo escavados em Akrotiri, Santorini, ambos construídos em meados do segundo milénio antes de Cristo. Os minóicos construíram banhos públicos em ginásios para relaxamento e higiene pessoal.
A mitologia grega precisou que certas fontes naturais e piscinas eram abençoadas pelos deuses para a cura de doenças. Em torno destas piscinas sagradas, os gregos criaram instalações balneares para aqueles que desejassem a cura. Suplicantes deixavam oferendas aos deuses nesses locais e banhavam-se na esperança de uma cura. Os espartanos desenvolveram um banho de vapor primitivo.
Em Serangeum, um balneum grego: câmaras balneares eram cortadas na encosta onde brotavam fontes termais. Uma série de nichos foram cortados na rocha para acomodar a roupas dos banhistas.
Os gregos ultilizavam os recursos naturais do local, mas adicionavam suas próprias comodidades, tais como as decorações e nichos. Durante a civilização grega tardia, os balneum eram construídos frequentemente em conjunção com campos de atletismo, Palaestra.
Os romanos absorveram muitas das práticas balneares gregas, e ultrapassaram os gregos no tamanho e na complexidade dos seus banhos.Como na Grécia, o Thermae romano se tornou um lugar focado para a atividade social e recreacional. Quando o Império Romano expandiu, a idéia do banho público se espalhou para todas as partes do mediterrâneo e em regiões da Europa e norte da África. Com a construção de aquedutos, os romanos tinham água suficiente não só para uso doméstico, agrícola e indústrial, mas também para os seus propósitos de lazer.

Reconstrução virtual do Thermae romano em Weißenburg, Alemanha: Os banhos romanos variavam de simples câmaras, à estruturas extremamente elaboradas, que variavam em tamanho, arranjo e decoração.
Frequentar os banhos públicos era uma das atividades mais comuns no cotidiano da Antiga Roma, era praticado por todas as classes sociais, menos os escravos. Enquantos os extremamente ricos construíam Balneum nas suas casas, o banho dos romanos comuns ocorriam em instalações públicas chamado Thermae.
A população poderia frenquentar também banhos privados, mediante o pagamento de uma pequena taxa. Porém estes Balneum não ofereciam o luxo dos Thermae públicos.
Banhos públicos (Thermae) eram muito mais magníficos e generosamente equipados, havia bibliotecas, calçadas, piscinas e instalações desportivas. O mais famoso de todos os banhos romanos, as Termas de Caracalla, era forrado de mármore e imenso como um pálacio.
Os banhos públicos de grande porte, chamados Thermae, eram propriedade do Estado e muitas vezes cobriam vários quarteirões da cidade. A maior delas, a Termas de Diocleciano, podia armazenar até 3.000 banhistas. As taxas para os eram bem acessiveis, dentro do orçamento dos homens livres romanos.

Ilustração didática reconstituindo a Thermae romana: Os grandes Thermae romanos ofereciam, além do ritual do banho, outras atividades como alimentação, venda de perfumes, bibliotecas e salas de leitura, performances teatrais e musicais. Na Palaestra, um espaço para exercícios e competições esportivas, (corridas, levantamento de peso leve e lutas).




Il Bagno Pompeiano, pintado por Domenico Morelli em 1861. Um Thermae público era construído em torno de três salas principais: o Caldarium (banhos quentes), o Tepidarium (ambiente quente) e o Frigidarium (banhos frios).

Ao tomar um banho romano, o banhista se expunha gradualmente ao aumento da temperatura. Para realizar este ritual, todos os Thermae romanos continham uma série de câmaras que ficavam progressivamente mais quentes.
A entrada era feita pelo Apodyterium, uma câmara onde o banhista trocava e guardava suas roupas. Em seguida, o banhista seguia para o Frigidarium, uma câmara com um tanque de água fria. Depois do Tepidarium (um ambiente morno), finalmente, um banho quente no Caldarium.
Depois de passar por estas etapas do banhos de imersão, o banhista retornava ao Tepidarium para uma massagem com óleos e raspagem dos resíduos. Alguns Thermae continham uma sala seca para repouso (Laconium) , onde o banhista concluía o processo de repouso e sudorese.

Apodyterium- Vestiário.
Tepidarium- Ambiente morno. para descanso ou massagens.
Frigidarium- Ambiente frio com banheiras ou tanques de água fria.
Caldarium- Camâra para banhos quentes em piscinas ou tanques.
Sudatorium- Câmara com vapores (espécie de sauna).


No Caldarium, pintado por Pedro Weingartner 1900
No Caldarium, pintado por Pedro Weingartner em 1900. Após o banho, haviam massagens com óleos perfumados e ungüentos especiais, importados principalmente do Oriente e do Egito, entre os quais a mirra e óleo de amêndoas.


Ruínas do Tepidarium, Termas Estabianas em Pompéia. O Tepidarium das Termas Estabianas era coberto por uma abóboda semicircular de madeira, enfeitada com relevos de estuque, em formato circular com pequenos nichos quadrados, separados uns dos outros por cariátides


Il Tepidarium pintado por Théodore Chassériau.
Pompeianas no Frigidarium, pintado por Pedro Weingartner 1897
Pompeianas no Frigidarium, pintado por Pedro Weingartner 1897. Era a última das etapas nos banhos públicos. Depois de terem os banhistas, os poros abertos com os banhos quentes do Tepidarium e do Caldarium, a imersão no tanque do Frigidarium servia para fechar os poros e finalizar o banho.

Ruínas de um dos tanques nas Termas Estabianas em Pompéia. Os primeiros banhos nasceram em locais onde era possível explorar as nascentes naturais ou águas mornas com poderes curativos especiais. Ao longo do tempo, especialmente na roma imperial. Os termas se espalharam pela cidade depois do aperfeiçoamento de técnicas de aquecimento da água.


Ruínas da fonte decorativa no Caldarium, Termas Estabianas. O Caldarium era aquecido por uma braseira abaixo do piso oco.


Strigils and Sponges, 1879, pintado por Alma Tadema. Os Strigils eram frequentemente utilizados em banhos romanos. O Strigil era uma pequena ferramenta curvada metálica. Muito utilizada na Grécia antiga e Roma para raspar a sujeira e o suor do corpo antes dos eficazes sabões se tornaram disponíveis. Primeiro, óleo perfumado era aplicado à pele, para depois ser raspado junto com a sujeira. Para as pessoas mais ricas, esse processo era muitas vezes feito pelos escravos.


Ruínas do Frigidarium do Termas Estabianas em Pompéia. O Frigidarium era uma câmara no Thermae romano onde eram tomados banhos em água fria ou gelada. O Frigidarium poderia ter uma forma redonda como o Terme Stabiane em Pompéia ou mais freqüentemente, retangular, com um ou mais tanques (piscinae) de água fria.



Assim, os romanos elevaram o ato de tomar de banho a status de ritual artístico, e seus Thermae refletiam esses avanços fisicamente. O Thermae romano incluía um ritual muito mais complexo do que um processo de simples imersão ou transpiração. As diferentes etapas do banho-ritual (despir-se, banhar-se, transpirar, receber massagem e descansar) tornavam necessária a construção de câmaras separadas por funções para cada etapa do banho.



Ilustração didática de um Thermae público na antiga Roma. Frequentar o Thermae, diariamente, fazia parte da vida social na antiga roma. Os banhos públicos eram lugares onde os romanos podiam práticar esportes, fazer a higiene pessoal, realizar negócios. Os banhos eram um lugar de socialização, de desenvolvimento de atividades para mulheres e homens que iam tomar banhos de imersão e conversar. Como hoje em dia, em um clube.
O design dos banhos romanos continham notáveis características arquitetônicas. Cada homem rico trazia seu próprio escravo que lhe atendia em toda a sequência de banhos. o Thermae, normalmente, tinha três entradas: uma para homens, uma para mulheres e outra para escravos.
Os Thermae frequentemente continham um pátio, ou Palaestra. A Palaestra que era um jardim ao ar livre utilizado para exercícios físicos. Em alguns casos, a Palaestra era construída em um pátio no interior do Thermae, e em outros casos a Palaestra ficava ao lado de fora. Quase sempre uma colunata delineava as bordas da Palaestra.

Reconstrução virtual: Termas Romanas em Segóbriga, Espanha. As maiores termas possuíam várias câmaras e salas com funções específicas. O design podia variar, mas geralmente as termas tinham um pátio central para exercícios, rodeado por um pórtico, com as câmaras para banhos ao seu redor.

Reconstrução virtual: Termas Romanas em Segóbriga, Espanha. Após o exercício ou o banho de piscina, os banhistas circulavam pelos quartos de banho: do morno Tepidarium, com paredes e pisos aquecidos, ao Caldarium com sua piscina quente, e a gelada piscina do Frigidarium. Eles também podiam usar o Sudatorium ou receber massagens dos escravos.

Divisões de um Thermae na Antiga Roma:
ApodyteriumEra a entrada dos termas romanos. Serviam como vestiários. Era sempre a primeira camâra, logo após ao pórtico da entrada. Nesta câmera o banhista se despia e guardava suas roupas, sempre vigiadas por um escravo.
Tepidarium: Câmara de temperatura morna que preparava ao banhista para o banho de água quente.
Sudatorium: Câmara com vapores, parecida com a sauna moderna (sala de transpiração).
Palaestra: Patio central para o qual se abriam todas as demais câmaras e era usado para exercícios físicos.
Tabernae: Lojas adjacentes às câmaras de banho, onde se vendiam bebidas e comidas.
Caldarium: Banhos de água quente. Era uma camâra luminosa e enfeitada. As grandes termas tinham inclusive piscinas, onde se podia nadar. Em termas menores, o banho era feito em banheiras ou tanques de água quente.
Frigidarium: Camâra destinada aos banhos de água fria. Em grandes termas o frigidarium podia ser descoberto e incluía entre suas instalações uma grande piscina onde se praticava natação (Natatiae).
Laconicum: Câmara seca.
Hypocaustum: Sistema de aquecimento sob o pavimento, em que o ar aquecido das fornalhas circulava através de tijolos perfurados, e daí espalhavam calor no interior das paredes.
Praefurnium: Local das fornalhas subterranêas que aqueciam o ar e a água das banheiras


An Apodyterium, pintado por Alma Tadema. Os banhos romanos abriam ao meio dia e fechavam ao pôr do sol. Nos lugares destinados às irmersões, haviam câmaras separadas para homens e mulheres; se não haviam câmaras separadas, o estabelecimento abria umas horas ao dia para mulheres e outras para homens, e só uma vez ao ano as termas eram abertas ao povo. Em algumas ocasiões, durante o Império, permitiu-se o banho conjunto a homens e mulheres.

Os Thermae repúblicanos tinham instalações de banho separadas para homens e mulheres, mas durante o primeiro século depois de Cristo, o banho misto era comum. No entanto, a separação entre homens e mulheres foi restabelecida pelo Imperador Adriano.
A área reservada as mulheres era geralmente menor do que a área dos homens, por causa do menor número de freguesas. Paredes sólidas e localização em lados opostos, separavam o espaço masculino e feminino, e garantiam a privacidade.
A separação dos sexos e as adições de atividades não diretamente relacionadas ao banho (ginástica, leitura etc) também tiveram impactos diretos sobre a arquitetura dos banhos. O ritual do banho romano e sua elaborada arquitetura serviram como precedente para instalações balneáreas européias e americanas.
O declínio do Império Romano no Ocidente, a partir de 337 d.C., depois da morte do imperador Constantino, obrigou as legiões romanas abandonar suas províncias periféricas e deixar os banhos serem assumidas pela população local ou destruídos.


Ruínas das Termas públicas romanas em Bath, Inglaterra. A ruptura do telhado original, causou a proliferação de algas. A estrutura de colunas acima do nível das bases é uma reconstrução posterior.

Ruínas do Frigidarium das termas romanas de Caesaraugusta, Espanha. Este Natatio era decorado com motivos florais e revestido com placas de mármore nos pisos e paredes.
Como ficou colorida esta postagem não é mesmo ? Mas nem de longe tão colorida quanto a casa de um patrício...
Continuando a nossa conversa, vamos falar também um pouco a respeito dos espaços do comércio nas cidades romanas.

OSTIA

Localizada na boca do rio Tibre.
Funcionou como porto da antiga Roma.
Podia acomodar até 200 embarcações.


Seu perfil urbano trazia grandes armazéns, lojas e cantinas.







Cada loja era identificada com um mosaico em preto e branco, marca registrada de Ostia.
Por causa das limitacoes de Ostia, um novo porto foi construído na margem direita do rio tibre, o "Portus Augusti".
Ambos os portos recebiam o mesmo tipo de produto: vinho, azeite, materiais de construcao, tecidos, etc.



O mercado de Trajano


Após o Fórum de Júlio César e do Fórum de Augusto, mais tarde imperadores também construiram mais extensões para o Fórum Romano(espaço de comércio), para dar mais espaço para os negócios. O imperador Trajano construiu um novo fórum por volta do ano 100 d.C.
No fórum, entre duas bibliotecas que não estão mais lá (uma para livros em latim e outro para livros gregos), situou-se coluna de Trajano.
Na parte de trás do seu fórum, construído contra a lateral de uma colina, Trajano construiu também um monte de lojas. Esta não era uma idéia nova - Júlio César tinha lojas em seu fórum também, cento e cinqüenta anos antes. Mas o arquiteto de Trajano, Apolodoro, construiu um shopping espetacular, em vez de apenas uma fileira de lojas.








O Fórum



No centro da maioria das cidades romanas havia um grande espaço aberto chamado “Fórum”. Pessoas se reuniram ali para fazer negócios, vender coisas e comprar, para ver seus amigos, para saber mais sobre as notícia de terras distantes e conquistas, e até mesmo para ir à escola. Normalmente, o Fórum teve pavimento de pedra, e em seu entorno templos, basílicas e, às vezes, lojas (lojas). Em algumas cidades, o Fórum teve uma plataforma disposta nele para que as pessoas pudessem  fazer discursos. Esta plataforma foi chamada de "Rostra".



Pouco a pouco, homens ricos da cidade foram adicionando ao Fórum estatuas e ornamentos, como demonstração de poder e influência. Até o governo de Júlio César o Fórum estava bem cheio.








Vestígios do Fórum de Júlio César

Mas ainda não havia espaço. Então no governo de Otávio Augusto, foi construído um outro Fórum ao lado do de Júlio César.




Anfiteatros



A maioria das pessoas já ouviu falar do Coliseu, em Roma, mas havia muitos outros anfiteatros em todo o Império Romano. As primeiras lutas de gladiadores, na época etrusca, realizavam-se em qualquer lugar plano perto de uma colina, de modo que as pessoas podiam sentar-se na encosta e assistir as lutas sendo realizadas sobre a área plana. Mas nem sempre há uma colina conveniente assim, então em pouco tempo, cerca de 300 a.C., os homens ricos e prefeituras começaram a construir anfiteatros de madeira para as pessoas para se sentar, como colinas artificiais, ou como os construidos para eventos em feiras ou festivais de hoje. Eles foram chamados anfiteatros, porque eles foram construídos como teatros um de frente para o outro.



Nos últimos anos da República Romana, no entanto, havia muitas lutas de gladiadores e as pessoas se cansaram de arma esses anfiteatros de madeira e ter que desmonta-los depois. Grandes cidades começaram a construir anfiteatros permanentes de calcário e mármore. Os primeiros anfiteatros de pedra não foram construídos em Roma, mas em Pompéia e outras pequenas cidades na Itália.



No tempo do Império Romano, quase todas as cidades de mais de alguns milhares de habitantes tinham o seu próprio anfiteatro de pedra,e era assim em todo o Império Romano da Síria para Espanha e da Inglaterra para a Tunísia. Muitos deles ainda estão de pé (pelo menos parte delas ainda está de pé) ainda hoje, e você pode ir visitá-los.
Muitos anfiteatros romanos foram construídos fora de Roma. Esta imagem abaixo é do anfiteatro de El Djem na Tunísia (África do Norte), um dos maiores anfiteatros que ainda resta hoje. O anfiteatro era suficientemente grande para conter muito mais pessoas do que as que viviam na cidade de El Djem: os agricultores costumavam vir do campo todas as férias para ver os espetáculos de gladiadores e execuções .

Anfiteatro de El Djem

Anfiteatro de Selinunte (Sicilia - Itália)

Esses anfiteatros continuaram a ser usados até por volta do ano 300 d.C., quando muitos romanos se converteram ao cristianismo e os bispos cristãos começaram a pregar que as lutas de gladiadores estavam erradas. Isto foi em parte porque os anfiteatros tinham sido usados também para executar prisioneiros cristãos, pessoas que tinham sido condenados por praticar ilegalmente o cristianismo, como São Paulo. E foi em parte também, porque tradicionalmente gladiadores lutaram em honra dos deuses romanos.



Aquedutos


Como as cidades romanas ficaram maiores no decorrer da República Romana, ficou muito difícil para as pessoas que viviam nas cidades para ter acesso a água. Porque esgoto era lançado nas mesmas águas que serviam de fonte para a população muitos adoeceram. Os governos locais, em primeiro lugar na cidade de Roma e depois em outras partes do império crescente, decidiram construir canais de pedra longos para levar água limpa a partir de colinas próximas às cidades. Este é um aqueduto da cidade de Roma:




Estes foram chamados aquedutos, a partir da palavra latina para água (aqua) e da palavra latina para o canal (ducto). No tempo do Império, a maioria das cidades romanas tinham pelo menos um aqueduto para trazer água fresca, e grandes cidades como Roma tinha 10 ou mais.


O aqueduto de Nimes, no sul da França (Pont du Gard)


Estes aquedutos eram um grande desafio para construir. A engenharia tinha que ser apenas para a direita a fim de obter a água a correr através dos canais e chegar à cidade, sem estagnar no canal ou vindo rápido demais para a cidade. Eles tinham que manter a inclinação da mesma o tempo todo, por isso às vezes os aquedutos tiveram que correr em altos arcos, e outras vezes ao longo do terreno, em canais de pedra, ou mesmo sob a terra em túneis.
Os engenheiros romanos construíram aquedutos em todo o Império Romano, da Síria para a Inglaterra. Todas as cidades romanas praticamente tinham água potável a partir desses aquedutos. Mas nas aldeias, onde a maioria dos romanos viviam, não havia aquedutos, e muitas vezes as pessoas bebiam água suja do rio mais próximo, e muitas mulheres e crianças passavam horas todos os dias no transporte de água do rio mais próximo vasos de barro.
Os aquedutos continuaram a ser usados até o ano de  400 d.C., quando a queda do Império Romano na Europa Ocidental fez com que a maioria das cidades ficassem muito menores, sendo assim capazes de obter água suficiente a partir de poços.






Basílica







Quando os romanos tinham qualquer atividade que queriam fazer em grupos, mas protegidos do tempo, eles geralmente se reuniram em uma basílica.
O interior de uma basílica era basicamente muito parecido com uma igreja cristã moderna ou uma catedral medieval: um grande salão com colunas ao longo dos lados para fazer corredores. Às vezes, eles construiam uma plataforma elevada em uma extremidade para as pessoas importantes. O piso da Basílica Aemilia foi construído de diversos tipos de mármore, que vieram da Numídia e Egito na África, da Grécia, e assim por diante, para mostrar todos os lugares diferentes que o Império Romano dominava.


Dentro da basílica, os juízes ouviam processos judiciais, ou os políticos faziam discursos, ou às vezes ainda, os professores realizavam aulas. Lá fora, nos degraus da basílica, as pessoas vendiam comida.








Templos






Como os egípcios, os cartagineses, os gregos e os etruscos, antes deles, os romanos construíram muitos templos para seus deuses. Um dos primeiros edifícios que conhecemos em Roma é o Templo Capitolino, que foi construído no topo da colina do Capitólio sob os reis de Roma. Era um templo de três deuses, Júpiter, Juno e Minerva. Mas o templo foi completamente destruído, e apenas pequenos pedaços das fundações são ainda  encontrados hoje.


Vestígios do Templo de Marte construído próximo do Fórum de Augusto


Constantino se converteu ao cristianismo em 312 d.C.,e com isso, as pessoas praticamente pararam de construir templos e começaram a construir igrejas em seu lugar. Muitas vezes, eles derrubaram templos antigos para usar o mármore para as novas igrejas. A maioria dos templos romanos que ainda estão de pé hoje sobreviveram porque foram transformados em igrejas cristãs.

Templo de Antonio e Faustina




O Panteão




Panteão de Adriano

No tempo do imperador romano Augusto, no ano 10 d.C, um de seus generais, um homem chamado Agripa, construiu um templo no centro de Roma dedicado "a todos os deuses” (pan = tudo, = theon dos deuses, em grego).
Uma curiosidade a respeito do Panteão é que, o primeiro foi sofreu um grande incêndio, durante o reinado de Tito, no ano 80 d.C. Domiciano construiu um novo templo lá, e que acabou incendiado também. No ano 120 d.C., Adriano construiu um terceiro templo lá em um estilo mais moderno. Este é o templo que temos até hoje. Mas para honrar Agripa, Adriano deixou uma mensagem sobre a porta dizendo que Agrippa tinha construído o templo, como você pode ver na imagem que abre este trecho de nossa postagem.
Do lado de fora ele realmente não parece muito impressionante. O Panteão é construído como um templo grego na frente, com oito colunas em toda a frente como o Parthenon, e um frontão em cima disso.
Mas no interior do Panteão há uma grande cúpula. A maior cúpula já construída no mundo até aquele momento - 43 metros de diâmetro (142 metros), e 43 metros do chão ao topo da cúpula.






Impressionante não é mesmo ? Quer ver melhor ? Veja o vídeo logo abaixo:




Em comparação com outras imagens que vimos até aqui, o Panteão esta muito bem conservado não é mesmo ? Isto se explica pelo seguinte...
O imperador romano Phocas deu o prédio para os Papas em 609 d.C., para servir como igreja cristã, e os Papas, desde então, tem cuidado muito bem dele.

Imperador Phocas


Senado




A primeira casa do Senado Romano, de acordo com historiadores romanos, foi construído antes mesmo de haver formalmente um Senado, por um dos reis de Roma, Túlio Hostilius(veja postagens anteriores nossas, para saber mais ou lembrar-se do período monárquico em Roma). Foi no Fórum Romano, perto de alguns lugares sagrados antigos, onde as pessoas sentiram perto de deuses poderosos.

   

Curia ou Casa do Senado construída por Diocleciano

Mais tarde os romanos derrubaram o edifício do primeiro Senado para dar espaço para um novo fórum, e assim no governo de Júlio César começou a construção de uma nova casa do Senado. Depois que os outros senadores conspiraram e assassinaram Júlio César em 44 aC, o seu sobrinho Augusto dedicou a nova casa do Senado para a memória de Júlio César.
Quando o edifício foi destruído por um incêndio na por volta do ano 200 d.C., o imperador Diocleciano construiu uma nova casa com toda a modernidade de seu período. Esta é a casa do Senado que ainda está de pé até hoje. É ainda no mesmo lugar, no Fórum Romano.
O mármore colorido usado no chão do Senado de Diocleciano veio de diversas partes do Império Romano, para mostrar que o Senado controlava tantos lugares diferentes e era muito poderoso.



A casa do Senado também teve grandes portas de bronze. Um dos papas mudou as portas para uma igreja em Roma, mas elas ainda são as mesmas portas.



O Senado reuniu-se neste edifício por mais de 300 anos depois que ele foi construído, mas quando o governo romano se mudou para Constantinopla,o Senado gradualmente parou de reunir (a última reunião registrada foi em 580 d.C.). A casa do Senado ainda está em muito boa forma, hoje, com um telhado sobre ela, porque assim como o Panteão, o imperador Phocas deu aos Papas para se transformar em uma igreja cristã no início de 600 d.C. e os Papas cuidaram muito bem do espaço.



Quanta coisa não é mesmo ? E que cenários lindos para se visitar ! Ponha como meta em sua vida que este mundo é do tamanho que você quer que ele seja e quem sabe você não irá me escrever no futuro contando como foi sua viagem a todos estes sítios arqueológicos. Até a nossa próxima postagem !




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...